quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Marcapasso das calçadas, poema de RCF





A penúria dos gestos suspensos,
a delicadeza do fio
– quantos gumes tem um fio? –,

                              roda a bicicleta,
                              imobilidade veloz,
                              zero que se repete ao infinito,
                              meu coração sofreia
                              no marcapasso das calçadas.


(Andarilho, 2000)

imagem retirada da internet: calçada de lisboa by themis aline

Nenhum comentário:

Postar um comentário