sábado, 3 de setembro de 2016

A arte do corpo, poema RCF






Numa dessas Bienais de São Paulo,
vi de longe, sozinho, passarinho,
o poeta Mário Quintana.

Durante anos a imagem – peixe azul – me perseguiu.
Por fim, entendi a recorrência:

Mário Quintana era móbile,
magra body-art,
andar performático,
existência conceitual,
em seus parangolés de ossos e calvícies,
em sua lígias & papes
de velho movido a arame,
seu corpo virtual,
ali, entre os cimentos desarmados do Ibirapuera.

 
(do livro Eterno passageiro, 2004)
 
imagem retirada da internet: mario quintana

Nenhum comentário:

Postar um comentário