segunda-feira, 7 de março de 2016

A fome, poema RCF



A fome se alimenta de gente:
quanto mais mirrado o homem
maior o dente.
Morde a carne pouca
nem lamentar pode
através da voz rouca.

Mais incha o bucho da fome
aquele que nada tem
e abre mão da vida e do nome
nem sabe pra que vem.

Ali vem outro, retirante,
quanto mais cresce diminui,
se estica feito barbante,
tão fino quanto gilete.
É seguro por uma linha
feito marionete.

A fome também vira camponesa:
da foice o corte perverso,
da enxada o revolver da terra.
Não é tema que dê bom verso
embora acerta mais do que erra:
tem o tiro perfeito da garrucha
no passarinho distraído na serra.

É semente vazia
que cresce quanto mais
avança o dia.

(do livro Terratreme, Fundação Cultura de Brasília)

imagem retirada da internet: portinari

Nenhum comentário:

Postar um comentário