sexta-feira, 30 de junho de 2017

Fios que me tecem


nos fios que me tecem
                        nenhum leva à meada

e a lua dos olhos
                       não flutua na órbita

                      apagada no eclipse
                                    das pálpebras

roda sem centro
e centro sem periferia

amadurecimento de fruta
que nunca foi verde:

                         ver blandícia
                         na dureza da pedra
                         e aspereza
                                    
na superfície lisa da calma

tudo o que se vê engana

o barulho
do salto
no taco oco
quando não há taco
nem salto

a tristeza profunda
é água que mina
mas não banha
umedece somente para
por imobilidade
e presença
amolecer
e esfriar,
até as cordas dos nervos
                               puírem

                              e cederem ao peso
                             da sombra
                                       que nenhuma luz projeta



(do livro Andarilho, 2000)


imagem retirada da internet: solitude

Nenhum comentário:

Postar um comentário