terça-feira, 24 de novembro de 2015

Os patos selvagens, poema RCF




as cidades intumescem
caçadas inúteis
                       pelos arrabaldes do vago
                       no mais recôndito
                       das algibeiras
                       está o coração do homem
                       o coração do homem
                       batendo nas fotos antigas
                       ou nos recortes de jornal
                                                procurando emprego

já não tenho dezoito anos
nem o relógio de corda
que não me deixava dormir
                                               tomando meu pulso
                                               eu
                                               refém
                                              do tempo
                                                         no terrorismo da distância

podes até trocar
            de pensamento
            recalcar amores fugidios
            negar
                               o toque do tempo
                               e de sua matéria
                                          feita de areia

o que não podes trocar
                               é de corpo
negar

este está ferido
e deitou-se em cama que não quis

os patos selvagens
salvam a aurora
que se partiu
em vários
                e difíceis pedaços


(do livro Andarilho, 7Letras, 2000)


imagem retirada da internet: van gogh









Nenhum comentário:

Postar um comentário