sábado, 23 de janeiro de 2016

O crime perfeito, poema RCF



Sentar-se à mesa do mundo
e ver a nova luta de classes:
os pequenos-hamburgueses
contra a dieta dos bóias-frias.

No mundo do McDonald’s
não há tempestade nem calor,
o sujeito no ar condicionado a viver
num balão de oxigênio.

O mundo infantilizado e virtual,
ainda comeremos sem tridimensionalidade,
bichos de videogame
que pastam número numa tela.

A música de câmara
do tilintar das caixas registradoras.
O fígado verde, o baço rubro, o coração azul,
as tripas lilás do homem de plástico
da aula do ginásio no Brasileiro de Almeida.

Oh, admirável mundo velho,
com suas máquinas primitivas,
seus antiquados transplantes
de córnea e fígado,
sua precária medicina de implantes de braço
e de chips no cérebro.

O mundo gira em torno da órbita
                              do olho;
                              só o olhar é que importa
                              e só o olhar nos sacia, mata a fome,
                              amaina a sede, nos dá sexo
                                                              e nos excreta.


(imagem retirada da internet: culturamix)

Nenhum comentário:

Postar um comentário