sexta-feira, 28 de abril de 2017

Miudezas do campo, poema RCF




Lavramos conosco uma plantação de tempo.
Um homem cerrado e savana, cheio do tempo miúdo,
retorcido e esparso, que nada produz,
a não ser o minuto inorgânico, que não germina nem morre,
apenas acrescenta praga aos dias ordinários de vegetação rasteira.

Essa plantação, que não alimenta, vai corroendo o minuto,
que é o tempo em cápsula, não é plantação que se veja,
mato que se perceba, árvore que dê frutos,
vários grãos de passado, a vida vivida de minutos nulos,
o vasto latifúndio de sementes perdidas
fazem o verdadeiro silo do homem:
a safra de foices, a colheita de terra seca.


(do livro Memória dos porcos. Rio: 7Letras, 2012)

Nenhum comentário:

Postar um comentário