sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Currículo, poema RCF






Não fui criado para ser multidão.
Já tenho dentro de mim bastante gente.
Meus olhos têm vários crepúsculos por dia.
Não sei quando meus olhos estão no nascente
ou quando estão no poente.
Meu cérebro range ao trabalhar,
deve ser falta de vida que o faz arranhado.
A única vitamina que tomo para meu cérebro
é não pensar em mim.


(do livro Memória dos porcos. Rio: 7Letras, 2012)


(fonte:wimedia commons)

Nenhum comentário:

Postar um comentário