terça-feira, 27 de junho de 2017

Nasci na mesopotâmia de São Luís, inédito

 

Nasci na mesopotâmia de São Luís, lá onde o Bacanga
e o Anil fertilizam a civilização dos ilhéus.
Nesta ilha assombrada pela pobreza e pela História,
Viera ainda dá sermões para um século que não mais existe.
Serpentes gigantes, reis desaparecidos em Alcácer-Quibires,
Mães d’água que amamentam meu terror noturno,
anas -jansens que se reduzem ao fogo da memória,
nossas sés e igrejas e paróquias desprovidas,
as inconfidências percorrem as ruas do medo,
o largo do desterro, a ladeira dos sonhos,
os sobrados da fanfarronice e endlessness,
as tripas da discórdia, o boqueirão das vontades
reprimidas, o beco das dores íntimas,
sem saída, a morbidez encurralada
pelo devaneio das cantarias.
(do livro inédito Delito das vozes mortas)

Nenhum comentário:

Postar um comentário