sábado, 10 de dezembro de 2016

A intimidade das coisas no mundo


sverrir thorolfsson

Há as intimidades viscerais
como o lápis e o dedo,
o cão e a coleira,
o pente e seu cabelo
e a morte e seus vermes.
Há intimidades que são prolongações
como ainda o lápis e a mão
– o lápis seria um só dedo
que escreve ou o sexto dedo de grafite –,
a bengala e o cego
que enxerga por uma terceira perna;
a pedra e o estilingue
que lança a primeira
num voo mecânico e lembra
que o avião também é uma pedra
lançada por um bodoque
de tecnologia e querosene.


Mas a intimidade maior
está no homem e suas pernas
que o levam aonde quer chegar.
Mais íntimo do homem
é o seu desejo,
que é íntimo do seu corpo
e mais íntimo ainda do espírito,
mas o desejo leva o homem a enxergar,
a desenhar sua profissão,
a arrumar-se ao espelho da modéstia,
a lançar-se no voo livre,
lograr o sonho, íntimo dos destinos desfeitos.        


(O difícil exercício das cinzas. 2014)              

Nenhum comentário:

Postar um comentário