sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Os hibiscos, poema RCF

o enxame de hibiscos
          povoou a manhã salina

abro a pasta
          a água transformou
          os papéis
                      indissolutos
                      em raízes mortas

chove

meu pai de tropical inglês,
           subindo as escadas,
           vira-se
                    e me pergunta:

                   Por que ainda não me enterraste
                   se já morri faz trinta tortuosos anos?

esta falsa paisagem
                  londrina
                           da janela
                  embora com lagartos
                  que se deslocam
                  e plantas ao vento
                  é fixa
                  quadro cujas cores
                                          se corrompem

no hotel
em Búzios
onde hospedava
humores descarnados
           a fratura dos riscos
           me lembrava
           a cada instante
que a permanência
           é fluida
           e os ares marinhos
trazem
           salsugem e os mortos
como as ondas
           vomitam
           na praia
                     o que não digeriram




(do livro Andarilho, 7Letras, 2000)

imagem retirada da internet: hopstel andarilho

Nenhum comentário:

Postar um comentário