sexta-feira, 12 de agosto de 2016

O sono e o lápis, poema RCF



A cordilheira do sono,
                 meus poros me olham,
                 olheira de pano,
                 o abismo do banheiro,
                 me dejeto,
                 espumo,
                 a corda bamba que segura o pijama,
                 estou sujo de mim, impuro,
                 cocheira dos instintos adormecidos,
                 só agora desenho o perigo de escrever a lápis:
                 risco de vida
                 que pode ser apagada.


  (do livro Andarilho, 7Letras, 2000)



imagem retirada da internet:escher

Nenhum comentário:

Postar um comentário