sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Um homem é muito pouco 34


          


      O carro deslizava em silêncio pela estrada pouco movimentada. O tempo abafado dava água à pele. Eu ia perdendo Alice cada vez que me afastava de Búzios. Alice foi a mulher mais búzio que encontrei em minha vida. Sempre que penso em Búzios ou escuto o nome da cidade a figura de Alice me aparece, dourada e múltipla, cabelo molhado, flor do sexo à mostra, a fruta dos mamilos madura e empinada. Alice me deixou em casa e desapareceu.

            Por uma semana não vi Alice. Eu andava marítimo e seco, aquático e vazio, pelas ruas de Copacabana e Alice não estava nos cinemas, nos bares e muito menos em minha casa ou no bar do Vicentino. Quem me perseguia agora era eu mesmo, por isso não queria ir para casa que ainda tinha o cheiro de Alice. As paredes estavam contaminadas de Alice, a cama gemia como Alice, os corredores se estreitavam como Alice, as janelas respiravam como Alice. Eu era perseguidor feroz e maldito, que não me dava descanso, que me levava aonde ia, que sabia onde estava, queria enlouquecer porque se enlouquecesse eu não me perseguiria mais. Me encontraria comigo e não saberia quem eu era e muito menos quem era Alice. E assim livre, de mim e de Alice, poderia ir ao cinema. Louco, até o tempo pararia de me atormentar e, quem sabe, poderia deixar de funcionar como relógio que deixou de ser dado corda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário