terça-feira, 8 de novembro de 2016

Capela Sistina, poema RCF



Queria te escrever poemas de amor,
mas de que valem eles?
O amor não move as fábricas,
nem faz aparecer a seca ou a chuva.
O amor não enche o campo de milho,
nem faz pastar o boi.
É apenas um gesto humano,
ordinário, pequeno, às vezes enlouquecido.
Um gesto apenas:
talvez o único
onde o homem toca o dedo de Deus.


(do livro Estrangeiro, 7letras, 1997)

Nenhum comentário:

Postar um comentário