sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

A bela da tarde, poema RCF




as tardes
não foram inventadas
apenas para os amores
de unhas roídas

a tarde conspira
para a gravidade dos acertos
mas tem a lascívia do apelo
vigoroso da eleição
                       das sombras

serve a tarde
                        para o cinema das sinecuras
                        o vício das vitrines
                       vitimar o tédio das raízes
ou remover
armadilhas rugosas
que não dão frutos

para quem desistiu de viver
como quem se retira
de um estádio de futebol
antes do término do jogo
resta o quintal
das soberanas
                    imaginações iluminadas

Não, a tarde não foi feita para os suicidas.
                   a tarde
                  com suas nuvens piscosas
                  sugere
                             patos selvagens
                             cavalos de fogo
                             incitações de lobo
                             do poema
                             que se arregimenta
                             tributário
dos grandes desacertos
dos elementos
da demissão

a tarde
não permite o exílio
das causas difusas
e se projeta
embaraçada e sugestiva
sobre nosso rosto
como um beijo
                         na face
                        que por engano
                        roçou a boca da outra.


(do livro Andarilho, 2000)


imagem retirada da internet: acernia, via peppermintteaa

Nenhum comentário:

Postar um comentário