domingo, 18 de dezembro de 2016

A vida tem pés pesados, O difícil exercício das cinzas


radu belcin
 
Tomba o flash do dia,
acende a escuridão da noite.
O elástico da emoção se estira.
A flor mais bonita do meu jardim é venenosa.
E vem o martelo da obsessão
que bate e rebate.
A vida – tem que saber tocá-la
como um chapa
que não se sabe
se queima ou esfria.
Aqui visto meu pijama listrado
e deito no catre
de prisioneiro do pensamento.
O suco gástrico da fome
se alimenta de mim.
O dia retrátil que se
nega quando se deseja,
minando por fora
como um olho d’água.
 
(do livro O difícil exercício das cinzas. Rio: 7Letras, 2014)

Nenhum comentário:

Postar um comentário