quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Imolação do poeta




A ferrugem se alimenta
daquilo que, findo,
também será o seu fim.

A vela é outra espécie
de combustão que se
consome enquanto vive.
Ou se consumindo
é que tem luz e vida.

O fogo se nutre
do que queima,
mas o fogo goza
com o fato de imolar-se
e, na imolação,
ter vida curta
embora brilhante.

O poeta também se alimenta
daquilo que o consome
e brilha por um instante
com o que se imola
e, se mais tarde não o reconhecem,
tudo será resto ferruginoso,
monte inútil de cinza,
pouco de cera sem pavio.



(do livro A máquina das mãos, 2009)

imagem retirada da internet: frida khalo

Nenhum comentário:

Postar um comentário