sábado, 11 de março de 2017

A bexiga do martírio, poema RCF


Resultado de imagem para vivian maier

Não se respiram linhas,
não se veste de linhas,
não se alimenta de linhas.
Há dias que desperto para o sonho.
O corpo é terra fértil.
As palavras, que poderiam
ser abrigo, destelham.
O cipoal das palavras na floresta das folhas em branco.
Ninguém ensina o martírio.
Ele está em nós como uma bexiga.



(do livro O difícil exercício das cinzas. Rio: 7Letras, 2014)

Nenhum comentário:

Postar um comentário