sexta-feira, 21 de abril de 2017

Deixem nossos escritores em paz, poema RCF

Resultado de imagem para nietzsche

Que direito tem a mão infiel
do duelo de afastar Pushkin de nós?
Por que a mão noturna tirou a vida morena
de Llorca e não deixou que escrevesse
mais sobre Nova York e ciganos?
Que obra não nos deixaria ele
se Dilermano não acertasse seis balas
no corpo seco e sertão de Euclides?

Que fúria inumana é essa,
insanidade do corpo,
a faca entre as pernas,
com sua ânsia cega de outro corpo,
outro corpo assassino e sifilítico,
que dá afasia e loucura,
que mata as flores de Baudelaire
e retira Nietzsche aqui do Bem e do Mal?

Não sabe a genitália, que não é gênio,
nem muito menos culta,
que afrontava o corpo dos dois
como num duelo de si mesmo,
que vence o baixo ventre sobre a alta mente?
Que mão outra senão a mesma,
esquecida que pertencia a um poeta,
agiu mecânica e torpe,
e deu fim à exuberância de ideias
de Maiakovski – a mesma mão
que escreveu seus poemas de futuro?

Por fim, que trama é essa do corpo
que não obedece a seu dono,
que nos corrompe,
furtivamente age por si,
e, amante infiel,
traz garrucha, adaga, sífilis, aids ,
tiro, corda, ponte de suicida,
quando não apenas o inimigo
nos retira o melhor de nós
e deixa que provenha
antes que vinho e carne,
a cotidiana corrupção da matéria,
intestina e inculta,
num duelo que só ela atira.



(Memória dos porcos, Rio: 7Letras, 2012)

Nenhum comentário:

Postar um comentário