sexta-feira, 19 de maio de 2017

Ressureição, poema RCF

hélices



Quantas cruzes serão necessárias
                                   para um Cristo?
Há dois mil anos mata-se o
                                   mesmíssimo homem
                                   – é preciso morrer tantas
                                   vezes ao longo dos séculos?

Por que rezo pelos joelhos?
Por que meus narizes
                                   incensam uma vida eterna?
Ainda por cima
                                   tenho a ligeira impressão
                                   que a hóstia é uma moeda?

Gosto das caves londrinas ou de Nova York
                                   onde me sinto nas catacumbas.
Os padres do Nordeste eram velhas sicilianas,
                                   arrastando as roupas negras,
                                   o velho hábito das viúvas e mulheres
                                   de pescadores portugueses e gregos.

O padre tinha um ouvido
                                   de palhinha
                                   e eu sussurrava os mais doces pecados.
Oh, Deus, pequei –
                                   quantas Ave-Marias
                                   e quantos Padre-Nossos
                devo para expiar
                a culpa de duvidar?

As igrejas me dão sensações febris,
                                    e do púlpito todo orador me revela
                                    a incapacidade de eu ser melhor do que sou.
Viverei mil anos e não aprenderei
                                    a jejuar, a deixar de exigir de Deus,
                                    a dar a nota maior da carteira,
                                    a não cobiçar a falsa plenitude do próximo.

Se todo homem carrega
                                    seu deserto,
                                    sua Via-Crúcis,
                                    sua Terra Prometida,
                                    quando o dedo de Deus
                                                                        me ressuscitará?



(do livro Estrangeiro. Rio: Sette letras, 1997)









Nenhum comentário:

Postar um comentário