terça-feira, 13 de junho de 2017

Flores do mal, Charles Baudelaire (RCF)


                                                               

   


(do livro A cidade na literatura e outros ensaios, 2016)



1857 foi um ano fundamental para a literatura mundial. Nesse ano, dois autores franceses publicavam seus livros. Um de prosa, intitulado Madame Bovary, de Flaubert. Outro, de autoria de Charles Baudelaire, iria mudar a poesia com sua visão maldita do mundo. Era o livro As Flores do Mal. Ambos sofreram processo na justiça. O primeiro por açular a permissividade erótica e o segundo por tratar de temas renegados pela sociedade como, no dizer do crítico francês da época de Baudelaire, F. Dulamon, “o vício frívolo do indivíduo, a corrupção dogmática das sociedades, almas cúpidas que fraudam e caluniam”. Os incestos, lesbianismo, o lado do mais decadente e escondido da sociedade está nas páginas de Baudelaire.

            Flaubert se defendeu com a tese de que não usava nenhum exemplo vivo e da realidade e que Madame Bovary era ele. Ao “incriminar-se”, Flaubert fugia da acusação de denegrir alguém do mundo real ou fazer apologia do adultério com sua visão indulgente e não condenatória. Baudelaire usou a tese de que não aprovava ou desaprovava o que descrevia como “desvio” social. Ele apenas apresentava o que de mal havia na sociedade, mas (argumento desnecessário para a literatura, embora importante para a justiça que não trata de literatura) sua poesia, como conclusão, apontava para um elemento mais puro e não corrompido pelos homens.

            É um pouco constrangedor para os amantes de Baudelaire ver o poeta angustiado e tenso para provar sua inocência. Para alcançar tal fim, ele precisava pousar de homem digno de pertencer à sociedade parisiense, ser um cidadão normal e estar em sua plenitude intelectual e moral. Baudelaire não tinha que prestar contas a ninguém, se seu livro não tivesse ido parar nas mãos e olhos errados. E muito menos seus defensores teriam que argumentar com uma imparcialidade moral do poeta. O poeta apenas registra e não coaduna, não endossa, não aceita o mal que está na sociedade.

            Baudelaire parece ter tido outro problema de ordem literária e humana. Como bem observou Theophile Guatier, o poeta de As flores do mal realmente admirava seus antecessores. Dedicou dois poemas para Victor Hugo, que reconheceu não entender bem a estética de Baudelaire, agradeceu a reverência e recomendou coragem ao poeta diante das adversidades. Hugo e Gauthier, principalmente este último, a quem Baudelaire amava como literato e ser humano, entenderam em parte a nova proposta estética daquele poeta que, curiosamente, não era tão maldito em sua vida social como parecia e que deseja ser aceito na sociedade dos poetas vivos de sua época. Mas Guatiher entreviu muito lucidamente dois movimentos muito comuns na história da literatura. Gauthier percebeu que a nova estética de Baudelaire diminuía seu poder romântico e que apontava para um novo rumo estético, embora ainda preso às convencionais regras do soneto, das rimas e de outras formas fixas.

            Não, Baudelaire não era Rimbaud que mandou tudo às favas. Lucidamente, escreveu sobre paraísos artificiais, mas os condenou, quis entrar para a Academia Francesa, frequentava salões, era um dândi e não um camponês com roupas rústicas, grandalhão, calça pescando siri e sapato grande e usado quando se apresentou na casa da família de Verlaine.

            O curioso é que tanto Madame Bovary e As flores do mal foram publicadas em periódicos. Madame Bovary, em 1856, como folhetim. Causou desconforto, mas não processo penal. As flores do mal também apareceu na imprensa, não o livro inteiro, mas partes dele. A Revue de Paris, a Revue des deux mondes, L’artiste, a Revue française publicaram vários poemas do que viria a ser o livro maldito. Nada disso os levou a corte, a não ser quando enfeixados em livro.

            O livro, já dissemos em O narrador do romance, tem o caráter de documento, mesmo o livro de ficção, mesmo o livro de poesia. A “mentira com sabor de verdade”, impresso em letra de fôrma, é um documento mais impactante do que versos soltos ou páginas avulsas. O primeiro crime de Baudelaire – e de Flaubert – foi publicar em livro as divagações satânicas de um e os devaneios eróticos de outro.

            Um dos seus críticos contemporâneos escreveu longo artigo em que defende Baudelaire com o argumento avant la lettre  do artifício literário da despersonalização que, mais tarde, será teorizada por T.S.Eliot. Jules Barbey D’Aurevilly dirá que


“Baudelaire é um artista de vontade, de reflexão e de combinação antes de tudo.[...] Portanto, como o velho Goethe, que se transformou em turco vendedor de pastilhas em seu Divã, e nos deu assim um livro de poesia, o autor das Flores do Mal se fez celerado, blasfemador, ímpio, pelo pensamento, absolutamente como Goethe se fez turco.”


               Mas eu diria que Baudelaire foi julgado também pela sua proposta estética. Simples, assim. É claro que o juiz da época nem tinha consciência de que estava julgando também um fato estético. Por princípio e hábito, o juiz teria a obrigação de cuidar dos bons costumes e afastar aqueles que porventura pudessem desvirtuar a conduta social. Contudo, a justiça ali, como no caso de Flaubert, se incomodava – e profundamente – não apenas com o que foi dito, mas como foi dito. Incomodava a Nova Forma (embora o próprio D’Aurevilly tenha aproximado o verso baudelairiano do verso de Victor Hugo). Perturbava a ordem também o fato de o que foi apresentado ter sido apresentado dentro de um romance não convencional e dentro de um livro de poemas que ousava introduzir não apenas novos temas das torpezas humanas, mas também com uma linguagem desabrida e contundente e, embora em formas fixas ditas convencionais, com um gosto de um verso atravessado, carnal e vil.




Nenhum comentário:

Postar um comentário