sexta-feira, 21 de julho de 2017

Frida Kahlo, poema RCF


 Resultado de imagem para frida kahlo

Em teu andaime de ossos
para construir uma vida
de cor e política,
 o corpo azteca
que retesa os músculos
da existência febril,
eu até diria, de tua
exuberância fabril.
Vontade de se enroscar
em teus panos mais
que coloridos: teus panos
ameríndios, teus panos
pré-colombianos: no
Peru e na Bolívia, com
chapéu de coco espanhol
as mulheres são totens
de carne e roupas
que se moem na paisagem andina.
Teus olhos de vísceras,
tuas sobrancelhas de vício,
teus lábios de Adelita
e  revolução mexicana
são delírios de carmim
que nos meus sonhos se
 esvaem feito um relógio de Dali.

Um comentário:

  1. Belo poema, Ronaldo. Traduz em carne e verso essa nossa paixão por Frida Kahlo.

    ResponderExcluir