quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Golem, de Donizete Galvão (1955-2014)





Ficar só não é bom.
Para espantar o tédio,
convém criar um homem
que encene em sua carne
o espetáculo da queda.




Nenhum comentário:

Postar um comentário