sábado, 29 de julho de 2017

Poema para Lêdo Ivo, inédito RCF


Resultado de imagem para lêdo ivo poeta
Lêdo, morreste em tua pátria.
Agora entendo por que os de língua espanhola
te conhecem tão bem e amam teus versos.
Se tens muito de Alagoas,
muito de teu verso sua Espanha.
Em teus versos espreita
uma alagoas espanhola,
uma alagoas de dor náutica
de quem em terra
se sertaneja, em terra
canta Sevilha,
em terra e mar nordestinos,
a claridade do teu curral de peixes,
expostos em teus versos
como um delírio de Dalí,
uma flor gitana de Lorca:
os ciganos nordestinos
gemem seu canto a palo seco
do teu amigo João,
que ambos conheceram
o que é viver exilado do mar
que se traz dentro da gente,
um mar gemibundo,
um mar desabrido e enérgico,
um mar cardíaco,
um mar cheio de escadas
que quanto mais se sobe
nunca se alcança
como na cascata de Escher.
Por fim te digo que morreste
em tua pátria que, me perdoes,
não é alagoana ou sevilhana,
mas a pátria das palavras,
a pátria dos teus versos,
a pátria de tua língua
que em toda tua vida
te banhaste em seco
e para sempre,
um mar de ruídos,
um mar de ondas sonoras,
um mar de poesia
que, ora em maré vazante,
finge a imitação da vida
que cada manhã avança e recua,
como um poema encruado
que na mente não cessa
e segue uma e outra vez soando além do sono.



23.12.2012



Nenhum comentário:

Postar um comentário