domingo, 29 de janeiro de 2017

Cemitério, poema RCF



o cemitério
de um homem
não é composto
                    apenas de mortos
                    mas almas verticais
                    que se enterram
                                 na carnificina dos minutos

a memória pesa
– isqueiro de prata no bolso
cada chama
                     não responde
embora queime
                     mais que a lucidez

são almas móbiles
                     de Calder
que se agitam
no espaço
entre ausência
e eternidade

visto-me
– meu terno é violento – ,
não ouso pedir
                       a demissão
                       da telegrafia
                       das lembranças



8.9.98

(do livro Andarilho, 2000)


imagem retirada da internet: andarilho

Nenhum comentário:

Postar um comentário