sábado, 13 de maio de 2017

O caranguejo, O difícil exercício das cinzas



Resultado de imagem para otto dix



A cidade não é uma estrela jogada no deserto,
e, sim, um caranguejo imóvel,
com inúteis garras que se ficam na areia.
A cidade murmureja a vontade quente,
há no mormaço a esquivança dos desejos,
move-se a máquina pouco mercante,
a máquina sem barra e lenta,
aqui não entram navios, embora tenhamos
porto e amarras – o porto é singular,
está em cada porta migrante.
A cidade se recompõe a cada manhã,
mulher sem desjejum, rosto dormido
de pesadelos, cabelos
em desalinho de uma névoa estrangeira.

Ó rotas, ó fugas, todas as saídas são entradas
e não há porta ou círculo que se feche,
a imensidão de árvores deformadas
pela sede voraz das megalópoles
à beira-mar, à beira-vida,
a vida em córrego da infância,
porque cada um traz seu rio da infância
dentro de si, mesmo que nunca tenha
se banhado em rio, mesmo que sua infância
seja negada e seca.

A cidade não se contorce, circense,
no picadeiro dos grandes espetáculos,
é ainda uma província de poderes,
embora seus poderes não sejam provincianos,
o Planalto é um risco de vidro
que insiste em sua pose de guarda britânico.
As esculturas é que me encantam:
Esta é a nossa Pompeia particular
e cada escultura é um candango
petrificado pela larva
da construção desta Atenas armada de cimento.

Os viadutos, que são pontes para o mesmo lugar,
gostam do regime russo da montanha,
e não se esgotam em levantar-se e baixar-se
no exercício de asfalto, geometria e urbanismo,
três poderes sem praça de exercidos
para diminuir o homem e sua estatura de carro.

Ah, Brasília, ao mesmo tempo veneza e andes,
com tuas três pontes sobre a placenta de água doce,
paralisada e muda como um espanto de amantes.
A do Gilberto Salomão é apenas uma ponte vecchia,
plana e regular, como uma rua:
a Costa e Silva é graça e garça, voo flagrado,
asa cortada de pássaro e em mármore branco fixada;
por fim a terceira do Sul, a que um dia se pensou
em chamar de a do Mosteiro,
cobra gigantesca, suspensa por si mesma,
zepellin de ferro, contorcionismo de estruturas,
me liga à vida urbana,
traga-me ordinariamente
quando me sinto atravessando
dois tempos: a vida doméstica
e a vida urbana, dois extremos
que não se ligam,
quanto mais cruzo mais me afasto
os dois polos.
Ó vida futura, que ponte me levará
a  teu útero virtual?

(O difícil exercício das cinzas. 2014)

Nenhum comentário:

Postar um comentário